Logotipo da Laryssa Frezze e Silva

A maldição veio de onde? E por quê?
Que troféu é esse que precisa ser carregado?



A maldição veio de onde? E por quê? Que troféu é esse que precisa ser carregado?

Eu sou a criatura mais doce que há; penteio minhas serpentes todas as manhãs e as prendo no topo da cabeça. Soltas, apenas quando danço.

Baixo meus olhos.

 É preciso, portanto, ser punida pelo aspecto racional, virgem, astuto, ao deixar-se seduzir pelas águas, ondas volúveis do mar, tridente? Eu amei. Deitei-me com ele no fundo da praia. E daí? Minha face não assustava ninguém, nem petrificava os que fazem gelar o próprio sangue. Sinceramente: nada tenho a ver com isso, ou com a falta de fluído dos outros.

Deixem-me em paz.

Acho curioso, aliás; têm-me medo: de que eu os vá prender no fundo da caverna? Domesticar tridentes para almoços de domingo? Camisas de botão?

Não permito que se estampe em minha pele de Sol e Lua as limitações que me lêem e que não me dizem respeito. Não sirvo para estar no escudo dos outros; tampouco darei à luz cavalos alados, montaria para heróis.

Os heróis nesse momento não me interessam. Fazem demasiado barulho e insistem em ver perigo e armadilhas onde ainda hoje cedo estive a espalhar pétalas. E, bem, se há olhos que falham em ver a delicadeza de veludo, perfume dos caminhos, deixem-me em paz.

O meu maior poder é a renúncia.

Torna-se pedra apenas aquilo que sedimentou-se. E se seu atributo é a fluidez, meu amante, venha. Nada há para temer aqui.


Você pode compartilhar esse texto, desde que cite sua fonte ;)  

Deixe o seu comentário